Archive for agosto \30\UTC 2010

Mais um bom meio tempo

agosto 30, 2010

O segundo tempo do Grêmio deixou a torcida confiante. Creio que na média dos 90 minutos o Tricolor fez uma boa apresentação. Porém, ainda temos que melhorar. Portaluppi deveria ter começado o jogo com Adilson, já que o time fica bem mais equilibrado com dois volantes, e improvisar o estreante Gilson de volante só foi perda de tempo. Mas o que mais me chamou a atenção foi a liberdade que o Atlético/PR deu para Souza e Douglas.

Aí vem o grande detalhe, apesar de todo o espaço, os armadores do Grêmio não conseguiram criar jogadas para abastecer o ataque, e a única alternativa que o Grêmio tinha era a jogada de pivô de Borges. Souza depois da lesão não foi mais o mesmo, e Douglas alterna bons e maus momentos dentro do jogo. Talvez eles joguem na mesma – e isso atrapalhe o desempenho de Souza. Fato é que o meio campo do Grêmio precisa ser mais criativo, ou viveremos de jogadas individuais para balançar a rede adversária.

***

Nítida a melhora de qualidade na lateral direita. Quando Gabriel adquirir ritmo de jogo será uma grande arma. Só falta acertar a esquerda agora. Vilson mais uma vez jogou bem e até gol fez. Aos poucos vai ganhando a torcida.

***

Torcida essa que promete comparecer em peso ao Monumental nesta quarta-feira (apesar deste horário cretino das 19h30min). A direção gremista até promoção está fazendo para que a torcida compareça. Esse é o momento em que o torcedor deve estar ao lado do time.

***

A vitória é obrigação. Se repetirmos a atuação do segundo tempo de ontem, os três pontos são garantidos. Contra o Santos fizemos um bom primeiro tempo. Contra o Atlético/PR foi o segundo. Resta agora fazer um bom jogo. A hora é essa.

Os grupos da Champions League

agosto 26, 2010

Foram sorteados na tarde de hoje. Confira!

GRUPO A
Internazionale (ITA)
Werder Bremen (ALE)
Tottenham (ING)
Twente (HOL)

GRUPO B
Lyon (FRA)
Benfica (POR)
Schalke 04 (ALE)
Hapoel Tel-Aviv (ISR)

GRUPO C
Manchester United (ING)
Valencia (ESP)
Rangers (ESC)
Bursaspor (TUR)

GRUPO D
Barcelona (ESP)
Panathinaikos (GRE)
Copenhagen (DIN)
Rubin Kazan (RUS)

GRUPO E
Bayern de Munique (ALE)
Roma (ITA)
Basel (SUI)
Cluj (ROM)

GRUPO F
Chelsea (ING)
Olympique de Marselha (FRA)
Spartak Moscou (RUS)
Zilina (SVK)

GRUPO G
Milan (ITA)
Real Madrid (ESP)
Ajax (HOL)
Auxerre (FRA)

GRUPO H
Arsenal (ING)
Shakhtar Donetsk (UCR)
Braga (POR)
Partizan (SER)

Só meio tempo

agosto 26, 2010

Há tempos o Grêmio não fazia um primeiro tempo como o de ontem. O time teve aproximação do meio campo com o ataque, retenção de bola na frente e criou algumas chances de gol. Só faltou o mesmo de sempre: laterais. Se bem que quem cruzou a bola para Borges marcar foi Fábio Santos, mas em todo este tempo de Grêmio dá para contar quantas vezes isso aconteceu. Já Edílson, bom, nem tem o que falar.

Douglas e Souza faziam uma boa partida e o Grêmio dava uma boa reposta contra o forte time santista. Aí veio o segundo tempo e o bom futebol resolveu mudar de lado. O meio campo gremista não conseguia mais ter a posse de bola e muito menos marcar o Santos. Preparo físico? Pode ser. Mas claramente quem morreu em campo foi Douglas, o resto do time não apresentou nenhuma queda de preparo. Faltou foi futebol mesmo.

Com o Santos dono do jogo, foi só questão de tempo para que o time paulista chegasse a igualdade – já que Victor já tinha feito uns milagres – e virasse a partida. Fato que ocorreu somente nos descontos porque Victor, mais uma vez, defendeu um pênalti. O Grêmio não soube reagir. Faltou organização e qualidade para o Tricolor. A classificação na tabela atrapalha nesses momentos em que é preciso ter a cabeça no lugar para se conseguir os resultados.

***

Renato, em sua entrevista coletiva após a partida, disse que o Grêmio ainda comete erros infantis. Correto! Eu mesmo posso citar alguns. O que leva um jogador (leia-se Fábio Santos) a cometer uma falta num jogador que está de costas para o gol? Esse foi o primeiro pênalti que deu origem ao gol de empate santista.

Outra coisa que é nítida é o mau aproveitamento das bolas paradas. Todas as cobranças de falta e escanteios são cobradas na primeira trave. Será que ninguém tem a capacidade de cobrar com mais qualidade? Os caras vivem com a bola nos pés e não capazes de cruzar uma bola decentemente? São coisas como essas que fazem com que a torcida perca a paciência.

***

Nosso capitão deveria falar menos e jogar mais. Outro que deveria simplificar nessa hora é Jonas.

***

Vilson teve uma boa estreia. Simplificou e parece ser um zagueiro que não brinca em serviço. Gabriel vai ser titular assim que estiver em forma e creio que Renato deveria por Neuton ou Lúcio na esquerda já contra o Furacão.

***

O que seria do Grêmio sem Victor? Confesso que às vezes sinto pena dele. Um jogador com tamanha qualidade não merece ter o time que tem. Aliás, a torcida não merece o time que tem.

***

Este papo que o campeonato é longo não serve, vide 2004. O Grêmio tem que ir para cima do Atlético/PR e vencer! Caso contrário a situação vai ficar ainda mais dramática.

O Jogo de Um Só Time

agosto 25, 2010

Uma lavada. O jogo de um time só. Uma partida que nem se pode chamar de “peleia”, tendo em vista o desempenho ridículo deste relator (uma das piores em anos de carreira amadora, senão a pior), a atuação pífia de Ratobol (entregando vários gols e errando muitos passes) e os gols fáceis tomados por Vinny pelo Time Azul. Alemão e Luís correram, fizeram o que puderam, mas não tinha a mínima condição. O Time Azul jogou tão mal, que até Garrincha jogou bem no Time Colorido. Cleitão, Diogo, Junique, Mossoró e Garrincha deitaram e rolaram. Fizeram o simples. Foram competentes. O Time Azul, de quebra, ainda perdeu gols incríveis. Este relator que vos fala jogou tão mal, que chegou a perder dois gols inacreditáveis de fronte ao gol, com direito a bola rebatida nas duas traves. Não teve graça alguma o jogo. Foi desigual. Um fiasco. Foi uma noite para ser esquecida pelos integrantes do Time Azul…

———————————————————————-

— SÚMULA DO JOGO # 120

** TIME AZUL:

01-Vinny – GK
02-Ratobol
03-Alemão Pizoni
04-Luís Mirandinha
05-Zerbes
———————–
04
x
10
———————–

** TIME COLORIDO:

01-Diogo Carioca
02-Junique
03-Mossoró
04-Garrincha
05-Cleitão
———————————————————-
LOCAL: Centro Poliesportivo da PUCRS (Térreo/quadra 1)
HORA: 20h
DATA: 24 de agosto de 2010.
———————————————————-

Tchüss, fusballteigers!!!



Falta o básico

agosto 23, 2010

O ponto forte do time do Grêmio na conquista do título gaúcho foi seu ataque. Tudo bem, há de se fazer a ressalva de que o nível técnico do Gauchão nem se compara com o do Brasileirão, e mesmo assim, um setor do time já preocupava os Tricolores: a zaga.

Com a saída de Réver e Rodrigo (que começou bem mais caiu muito de qualidade), o Tricolor conta com apenas um zagueiro de qualidade: Mário Fernandes. Ozéia não pode fardar, e Rafael Marques até quebra o galho. Sem Mário machucado – num erro inadmissível do departamento médico gremista que esperou a Copa do Mundo acabar para operar o guri – a zaga do Grêmio é muito fraca.

Para piorar, a dupla de volantes também não marca. E os laterais (?) da mesma forma. Aí não há Victor que aguente.

###

Outro problema nítido da equipe gremista é a saída de bola. Ela simplesmente não existe. Com a falta de qualidade da zaga, dos volantes e dos laterais, o Grêmio vive de ligação direta para o ataque. Além disso, os responsáveis pela armação da equipe, ao invés de se apresentarem e buscarem o jogo na intermediária de defesa, ficam parados esperando a bola chegar.  Ou seja, não se arma uma jogada, não se dá mais do que três passes em direção ao gol adversário. E quem sai mais prejudicado? O ataque.

Sem toque de bola, deslocamento, tabelas, não há jogo. É o básico. Um time que não sabe fazer isso tem sérios problemas. O Grêmio os têm.

Pênalti Não Admitido Apenas no Futebol Inglês Decide Peleia Braba no TYMV

agosto 18, 2010

Jogaço de bola. Futebol extremamente peleado. O Time Branco começou mais organizado: Caxias segurava as pontas na defesa, enquanto Junique, Ratobol e Pedro Henrique abusavam das triangulações rápidas para servir o pivô Cleitão. Esse início vibrante, concedeu aos brancos uma vantagem larga de 4 gols (2 gols de Cleitão, 1 de Pedro e 1 de Junique). João Henrique, o estreante da noite em jogos do TYMV, então resolveu jogar de fixo, armando as jogadas. E não é que o Time Azul acertou? Deu liga. Com Bartt caindo pelas pontas, João na armação, Luís fechando o meio e este relator na função de pivô, o Time Azul iniciou uma virada incrível.

Na base da raça, os azuis foram diminuindo pouco a pouco a vantagem dos brancos, a começar com um gol inusitado de Bartt, o qual ele mesmo assim descreveu: “uma bola espirrada na marca do penalti, ela subiu com muito efeito, o que tirou o Caxias da jogada (teve de ficar cercando); quando voltou, cheia de rosca, caiu na minha mentirosa (perna direita) e no quique com efeito, me enganou e eu dei uma furada daquelas. Mas isso serviu de ameaça de chute, pois o caxias abaixou e abriu os braços pra tentar defender; após dar essa de fuinha, dominei rapidamente e ajeitei pra canhota; aí, com caxias se recuperando do movimento, dei um gancho que serviu apenas para encobrir o arqueiro, que mesmo se esticando todo, apenas tocou ‘a borracha da luva da ponta do dedo maroto’ na bola. Foi tão lento – e marrento – o lance que ainda ouvi o murmúrio do goleiro: ‘puta que pariu!’, antes da bola tocar na rede“.

Era o primeiro tento de uma reação inimaginável do Time Azul…

Luís e este relator adiantaram a marcação e foram coroados com duas “entregadas” seguidas: Rato perdeu a bola para Zerbes, que tocou para Luís marcar o gol; Cleitão perdeu a pelota para Luís, que tocou para Zerbes marcar o gol. No final do jogo, João marcou gols importantes. Bartt organizava a marcação do time. Após o empate dos azuis, o Time Branco jogou-se ao ataque e conseguiu marcar com Pedro Henrique, através de um voleio no chão. Belo gol. Entretanto, era a noite do Time Azul. Este relator empatou mais uma vez a peleia, após jogada de Luís Mirandinha, via passe em profundidade de João.

Cleitão teve a bola do jogo em seus pés: após lançamento de Pedro, recebeu de frente para Vinny, olhou, escolheu o canto, mas o arqueiro defendeu com a ponta do pé esquerdo em momento de rara felicidade, demonstrando ótimo reflexo. Há poucos minutos do fim, após uma sequência de 3 grandes defesas de Caxias, Bartt lançou este relator, que girou em cima de Ratobol, dividiu a bola com Junique, driblou o arqueiro do Time Branco, e foi derrubado na área, quando já se preparava para chutar de chapa para o gol vazio. PÊNALTI. Ninguém do time branco reclamou, tendo em vista a obviedade da falta. Este relator, de joelhos, olhou para Caxias: “Tchê Caxias, tu viste que foi pênalti né?” E Caxias deu uma resposta totalmente inusitada: “Eu te peguei, mas na Inglaterra isso não é pênalti”. Zerbes, João, Bartt e Ratobol não aguentaram e viram-se na obrigatoriedade de rir. João Henrique bateu o pênalti e sacramentou a grande virada do Time Azul. Ao soar a sineta, Caxias confessou: “eles mereceram vencer”.

———————————————————————-

— SÚMULA DO JOGO # 119

** TIME BRANCO:

01-Caxias-GK
02-Ratobol
03-Junique
04-Pedro Henrique(C)
05-Cleitão
———————–
11
x
12
———————–

** TIME AZUL:

01-Vinny-GK
02-João Henrique
03-Bartt
04-Luís Mirandinha
05-Zerbes(C)
———————————————————-
LOCAL: Centro Poliesportivo da PUCRS (Térreo/quadra 1)
HORA: 20h
DATA: 17 de agosto de 2010.
———————————————————-

Tchüss, fusballteigers!!!

Douglas, o caseiro

agosto 17, 2010

De atuação destacada na vitória contra o Goiás, o meia Douglas disse hoje em entrevista coletiva que não entende porque o seu comportamento fora das quatro linhas é ponderado pelos torcedores e imprensa. Nas palavras dele: “Não tem nada errado, não tenho problema com nada. Se eu tomar uma cerveja tomo em casa para não ter problema. O que se fala aí fora eu não ligo muito. Quando o resultado não vem muita gente fala coisa que não existe. Eu tenho minha consciência tranquila, não gosto muito de sair de casa não.”

Pouco me importa o que o jogador faz na sua folga e em horários em que não cumpre expediente no clube, o que realmente é relevante é sua atuação dentro de campo. Como bem disse Douglas, a má fase ajuda na criação de fatos, porém, dando a reposta dentro das quatro linhas, como ele fez no domingo, a torcida e imprensa logo deixam o camisa 10 Tricolor em paz. Porque bola o rapaz tem.

Gabriel

Há quem garanta que o Grêmio está prestes a contratar o lateral direito Gabriel. Dizem, inclusive, que um representante do clube está na Grécia negociando com o atleta. Se de fato ele vir, é uma baita reforço. Porque aguentar o Edílson está difícil.

Inspirado, Caxias Faz a Diferença e Ajuda Cleitão a Vencer Após 7 Semanas

agosto 11, 2010

Ao formar os times, este relator pensou que o Time Azul estava mais forte que o Time Branco. Trocada uma ideia com alguns integrantes da gurizada, imaginou-se que daria para emparelhar. O Time Branco começou dando as cartas, porém, este relator e seu companheiro de ataque (Pedro Henrique) perdiam gols inacreditáveis – os quais fariam muita falta ao final do jogo. Aproveitando-se dos erros do Time Branco, os azuis passaram a abrir vantagem com gols de Cleitão, Mossoró e Luís.

O Time Azul jogava apenas nos contra-ataques, enquanto o Time Branco buscava o entrosamento ainda. Este relator estava numa noite pouco inspirada, errava passes fáceis e até domínios de bola simples. Bartt não jogava com a mesma desenvoltura de partidas pretéritas. Pedro Henrique parecia afoito, e não consegui penetrar na defesa adversária. Junique defendia do jeito que dava, mas como era o único defensor do time, sofria com as subidas do time, dando espaços para Cleitão “pescar” no ataque. Pra piorar a situação do Time Branco, Caxias estava numa noite de raro brilho. Quando os brancos não perdiam gols, ele defendia. Pedro Henrique chegou a perder dois gols seguidos de frente para Caxias. Sem muita resistência, os azuis chegaram à vantagem de 7 gols de diferença. Foi então que este relator marcou um gol de cavadinha e a pelota começou a entrar. Bartt, Junique, Pedro Henrique e este relator passaram a acertar os passes, a fazer os gols, mas ainda deixavam espaços na defesa. Vinny fazia boas defesas, mas levava alguns gols “defensáveis”. Cansado e acuado, o Time Azul perdeu-se no fim do jogo, e passou a assisti à reação dos brancos. Caxias operava “milagres”, defendendo chutes à queima-roupa e no mano a mano. Faltando poucos minutos para o término do jogo, o Time Branco diminuira a vantagem do Azul para 1 tento. Bartt teve uma oportunidade clara, mas chutou para grande defesa de Caxias. E há 30 segundos do apagar das luzes, Bartt lançou Pedro (do jeito que ele gosta) na ponta esquerda, ele enquadrou o corpo e bateu de voleio (alá Bebeto Balanço), mas a pelota saiu. Final de uma peleia bem disputada, na qual Caxias salvou o seu time…

———————————————————————-

— SÚMULA DO JOGO # 118

** TIME AZUL:

01-Caxias-GK
02-Ratobol
03-Mossoró
04-Luís Mirandinha
05-Cleitão
———————–
12
x
11
———————–

** TIME BRANCO:

01-Vinny-GK
02-Junique
03-Bartt
04-Pedro Henrique
05-Zerbes
———————————————————-
LOCAL: Centro Poliesportivo da PUCRS (Térreo/quadra 1)
HORA: 20h
DATA: 10 de agosto de 2010.
———————————————————-

Tchüss, fusballteigers!!!

Na história

agosto 11, 2010

A data de hoje entra para a história do Grêmio. Afinal de contas, não é todo dia que o maior ídolo do clube assume o cargo de treinador da equipe.

Ao trazer Portaluppi Duda aposta na mística que esse nome possui dentro da instituição. Renato tem seu trabalho dentro das quatro linhas contestados por muitos, e o Grêmio sabe disso. Entretanto, a impressão que fica é que Duda quer em primeiro lugar a torcida ao seu lado, e com Renato na casamata é bem possível que ela volte a apoiar o time com vigor.

Outro fato citado pelos dirigentes é o comando do vestiário. Com a imagem de boleirão, Renato tem como primeira tarefa tomar as rédeas do vestiário gremista, coisa que Silas não o fez com competência.

Tomara que Portaluppi surpreenda a todos e faça um bom trabalho dentro e fora de campo. Seria muito legal ver um ídolo dando certo como treinador do Grêmio. Caso contrário, fico sempre com a sensação de que a imagem de ídolo p0ssa ficar um pouco arranhada.

Renato sabe desse risco, e mesmo assim aceitou vir treinar seu time de coração. Atitude típica do ex camisa 7 tricolor.

A Frenética Dança dos Treinadores no Campeonato Brasileiro 2010

agosto 10, 2010
Renato Gaúcho orientando Rodrigo Graal pela última vez no Bahia-BA/BRA.

Renato Gaúcho orientando Rodrigo Graal pela última vez no Bahia-BA/BRA.

Sai Paulo Silas, entra Renato Gaúcho (ex-Bahia-BRA/BRA) no Grêmio. Sai Estevam Soares, entra Mário Sérgio (sem clube) no Ceará-CE/BRA. Sai Ricardo Silva, entra Toninho Cecílio (Grêmio Prudente-SP/BRA) no Vitória-BA/BRA. Sai Roberto Fernandes, entra René Simões (sem clube) no Atlético Goianiense-GO/BRA. Sai Ricardo Gomes, entra Sérgio Baresi (das categorias de base do clube) no São Paulo-SP/BRA. Essas substituições clubísticas de técnicos foi feita nos últimos 3 dias. INCRÍVEL. Mas só no Brasil que isso acontece. Não é novidade. Todo brasileiro sabe que, se o time não vai bem, alguém tem de “pagar o pato”. Por vezes é o vice-presidente de futebol, por vezes até o presidente larga fora, mas quase sempre é o treinador.

No Grêmio, por exemplo, saíram o vice de futebol (Luiz Onofre Meira) e o treinador (Paulo Silas). A torcida já pedia as suas saídas há tempos. Era “uma tragédia já anunciada”. Agora, com novo ânimo, novo treinador (Renato Gaúcho), novo vice de futebol (Alberto Guerra), o Imortal Tricolor tentará reagir no segundo semestre de 2010. Após um primeiro semestre bastante positivo (levantou a Taça Fernando Carvalho e ganhou o Campeonato Gaúcho; levantou a Taça Hugo de León, torneio amistoso em que massacrou o Nacional de Montevidéu em seu próprio estádio; terceiro colocado na Copa do Brasil), o Grêmio desorganizou-se e degringolou. Segundo o jornalista Paulo Pires, da Rádio Bandeirantes Porto Alegre, “o Grêmio demitiu um treinador para contrara um mito”. Renato se despede do Bahia-BA/BRA hoje à noite, fazendo seu último jogo como treinador do clube baiano. Caso ele vença, o time entra no G4 que subirá para a Primeira Divisão do Campeonato Brasileiro.

O Palmeiras-SP/BRA, que teve como últimos treinadores (nada mais nada menos) que Wanderley Luxemburgo, Muricy Ramalho e agora Luiz Felipe Scolari, não consegue sair da mediocridade. Com Felipão, ainda não venceu em 5 jogos. Trata-se de um caso típico em que a culpa pelas más campanhas não se deve ao comando técnico. No Brasil, traoca-se de treinador como se troca de roupa. No meu entender, é uma tremenda falta de cultura. Contudo, no caso específico do meu Grêmio, a direção era OBRIGADA a demitir Silas. O ciclo dele acabara, suas convicções já não existiam, e o principal, Silas havia perdido o comando do vestiário. Vejam o Ceará-CE/BRA: é o terceiro colocado no Brasileirão e já está no seu terceiro treinador (começou com Paulo César Gusmão, o qual aceitou proposta do Vasco da Gama-RJ/BRA; contratou Estevam Soares; e agora traz Mário Sérgio Pontes de Paiva, “o Vesgo”).

Muitos treinadores ainda “dançarão” a dança do desempregado até o final do ano. Apenas uma estatística para finalizar este post: os times que costumam contratar de 4 a 5 treinadores por campeonato costumam rebaixar…

Tchüss!!

Pela imagem

agosto 9, 2010

Renato é o maior ídolo Gremista. Como tal, penso que sua imagem deve ser preservada. Além disso, creio que Renato ainda não tem capacidade para treinar o Grêmio e, mesmo que a tivesse, ainda sim seria contrário a sua vinda.

Ídolos devem ser exaltados sempre. Agora imagine a seguinte situação: o fracasso Portaluppi. Com certeza será vaiado pela torcida que o tanto cativa. Já o olhar otimista pode pensar que Renato dará muito certo pois sua identificação com o clube é muito forte, porém, o risco existe.

Entre o risco de manchar a imagem de Renato o trazendo como técnico, e deixar que ele seja sempre lembrado como o maior ídolo do clube, fico com a segunda opção. Sempre.

PARABÉNS, LEANDRO PIZONI, MAIS NOVO JORNALISTA!!

agosto 7, 2010

Nesta sexta-feira, a partir das 17h, mais precisamente no Centro de Eventos da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS), formou-se em Jornalismo um dos idealizadores deste blog: Leandro Pizoni, o Alemão. Foi com muito prazer que compareci à solenidade, e de quebra, registrei com a minha máquina fotográfica. Ele fora um dos mais ovacionados pelo público, tendo, inclusive, sido “cortejado” pela expressão “Alemão gostoso”, proveniente das cordas vocais de uma histérica menina loira que estava na plateia. Sem sombra de dúvidas, foi a formatura mais emotiva que já testemunhei. Por duas vezes fiquei profundamente comovido com os dizeres do paraninfo, ao mesmo tempo em que eram feitos os procedimentos protocolares, ao som de melodias peculiarmente escolhidas pela comissão de formatura. Aquela formatura não foi como as outras que vi. Acima de qualquer coisa, eu estava assistindo a uma palestra de como se deve valorizar a vida, e as responsabilidades que se adquire, ao desenvolver uma profissão.

Eu e o jornalista Alemão Pizoni no Centro de Eventos da PUCRS. FONTE: Marcelo Zerbes e sua sansung SHD Lens 8.1 mega pixels

Eu e o jornalista Alemão Pizoni no Centro de Eventos da PUCRS. FONTE: Marcelo Zerbes e sua sansung SHD Lens 8.1 mega pixels

Tenho certeza de que o futuro reserva muito sucesso a este grande profissional, ser humano, cidadão, gremista, adorador de Chocolícia e Toddynho, de nome Leandro Pizoni. PARABÉNS, MEU AMIGO! TODO O SUCESSO DO MUNDO A TI !! FORTE ABRAÇO!!

Nem Boa Atuação Salva Goleiro Estreante da Derrota

agosto 4, 2010
O Conselho do TYMV, mais uma vez, dividiu os times com antecedência. Ante as ausências de Pedro Henrique, Junique e Ricardo Laudrup, ficou difícil equilibrar as equipes. Para os lugares dos recém mencionados, foram convocados Mossoró, Fontana e um estreante, o ex-goleiro do Gaúcho FC (extinto time amador do Bairro Partenon de POA,  fundado em 1997 por Leonardo Reis de Souza, Daniel Dalmás e este relator que vos fala), Vinny. Vinny tinha fama de alternar “alguns frangos”, com grandes defesas. Mas não foi o que se viu, após anos a fio.

O Time Azul começou arrasador. Ratobol e Bartt marcavam bem atrás, Cleitão segurava o meio e este relator fazia a função de pivô, pifando Cleitão na cara do gol. Com 2 gols de Cleitão e 2 gols deste relator, os azuis abriram 4 a 0, jogando organizadamente. Vinny praticamente não tocara na pelota com 15 minutos de jogo. O Time Laranja, no entanto, era mais qualificado tecnicamente.
Os laranjas colocaram a bola no chão e acertaram o posicionamento do time em quadra. Renatinho tentava se movimentar na frente, enquanto Diogo, Mossoró e Fontana tramavam as jogadas no meio. Caxias trabalhava bastante no jogo, mas começou a assistir ao jogo, a partir do primeiro gol os laranjas, por intermédio de Mossoró. Em questão de 10 minutos, a vantagem dos azuis foi desfeita, tranquilamente, pelo Time Laranja. O jogo estava empatado, e aquela sequência de gols desarticulara a organização dos azuis. Cleitão não escapou da sua sina: o seu lado da marcação era “uma avenida”. Diogo ou Mossoró tocava a bola no meio, corria às costas de Cleitão (que não acompanhava) e as coisas começaram a ficar difíceis para o Time Azul. Fontana e Diogo fizeram gols que deram a vantagem de 2 a 0 para os laranjas. Mas, ainda com fôlego e jogando no limite, os azuis conseguiram o que parecia improvável: novo empate, através de um belo gol de cavadinha de Bartt, e outro de Cleitão com o gol vazio, após jogada deste relator driblando dois marcadores e tirando do goleiro Caxias.
Entretanto, “a casa caiu de vez” para o Time Azul quando Mossoró bateu do meio da quadra, a pelota desviou em Bartt e Vinny aceitou no canto esquerdo, tendo a visão embaçada por Ratobol e Diogo Carioca. Bartt, extremamente vermelho e sem ar, confessara que estava passando mal de tanto correr. Cleitão desligara-se do jogo. Os gritos deste relator e de Bartt para que seguisse firme na marcação pareciam inúteis. Vinny fazia defesas importantes no mano a mano com os atacantes laranjas. Em 4 contra-ataques seguidos, porém, o Time Laranja matou o jogo abrindo 5 gols de diferença, apenas rodando a bola (dois gols de Mossoró, um de Renatinho e um de Diogo). Quase no apagar das luzes, Bartt tocou para este relator, que lançou Cleitão na ponta direita. Este dominou, chamou a marcação de Fontana, e cruzou para este relator que, com frieza, dominou a pelota e deu um lençol em Caxias, diminuindo a vantagem para 4 a 0. Era tarde demais para esboçar qualquer tipo de reação…
———————————————————————-

— SÚMULA DO JOGO # 117

** TIME LARANJA:

01-Caxias – GK
02-Diogo Carioca
03-Fontana
04-Mossoró
05-Renatinho
———————–
14
x
10
———————–

** TIME AZUL:

01-Vinny – GK
02-Ratobol
03-Bartt
04-Zerbes
05-Cleitão
———————————————————-
LOCAL: Centro Poliesportivo da PUCRS (Térreo/quadra 1)
HORA: 20h
DATA: 03 de agosto de 2010.
———————————————————-

Tchüss, fusballteigers!!!


%d blogueiros gostam disto: