Noite de Pouca Inspiração de um Quinteto no Futsal do Toco Y Me Voy

by

O jogo começou morno. Muitos erros de passe em ambos os times. Chutes despretensiosos de fora da área. Os times se estudaram demais no início. Eram quase 10 minutos de jogo e a bola ainda não havia balançado as redes. O Time Azul saiu na frente, mas o Time Laranja empatou em seguida. O jogo parecia que iria melhorar. O Time Azul desempatou, marcando o 2 a 1, e o Time Laranja buscou o resultado, mais uma vez, deixando a peleya empatada novamente. O Time Azul passou então a tocar mais a bola, e aproveitando os erros de ataque os laranjas, em contra-ataques rápidos, retomou o marcador e não abandonou mais a liderança. Após o 2 a 2, os Azuis fizeram 3 a 2 e 4 a 2. O jogo ainda estava parelho. Mas os erros primários de passe do Time Laranja desesimularam os próprios jogadores. O pivô do Time Azul (Pedro Henrique) passou a jogar com mais liberdade da marcação dos laranjas e deitou e rolou ao final do jogo. Com triangulações objetivas, sempre no 3 contra 2, Pedro Henrique tabelava com quem vinha de trás (quase sempre Junique e Bartt), empilhando gols. A vantagem chegou a ser de 9 gols, mas ao término do jogo, caiu para 7. Este relator chegou até a fazer os seus golzinhos, aplicar algumas janelinhas, mas era como “remar contra a maré”. O Time Laranja, como um todo, estava numa daquelas noites em que nada dá certo. Aí, meu amigo, é como o Junique diz: “o melhor que se tem a fazer é comer um cachorro quente e ir dormir…”

_________________________________

** TIME AZUL:

01-Bartt
02-Junique
03-Diogo
04-Renatinho
05-Pedro Henrique(C)
———————–

13

x

6
———————–
** TIME LARANJA:

01-Cuervo
02-Ratobol
03-Cacá(C)
04-Luís Mirandinha
05-Zerbes
____________________________________

LOCAL: Centro Poliesportivo da PUCRS (Térreo/quadra 2)
HORA: 21h
DATA: 29 de Setembro de 2009.
____________________________________

Tchüss, fusballteigers!!

Anúncios

6 Respostas to “Noite de Pouca Inspiração de um Quinteto no Futsal do Toco Y Me Voy”

  1. Gustavo Says:

    Todo bom time começa por uma boa defesa! os azuis foram implacáveis na marcação, anulando quase todas as chances de gol. Junique não errou nenhum bote. Pelo que a gurizada fala, essa atuação se repete na noite porto-alegrense. Diogo fazia passes precisos e Pedro Henrique tava inspirado e sortudo. Fez gol de canela na gaveta, gol pelo meio das pernas do goleiro, a bola espirrava e sobrava pra ele livre, que só convertia. E ainda fez gols mais elaborados. Renatinho abriu muito espaço e puxou bastante a marcação.

    O jogo esteve parelho até que os laranjas perderam a cabeça. Zerbes e Cacá tiveram boa atuação, mas nos momentos difíceis pecaram ao tentar resolver sozinhos. Conduziram demais a bola e facilitaram bastante a marcação.

  2. Junigol Says:

    Eu acabei notando algo interessante nos ultimos jogos. Sempre que o seu time começa a ser patrolado no placar o Sr. Marcelo Zerbes começa a ter ataques de Denílson, ou de Jay-Jay Okocha. Começa a pedalar enlouquecidamente, e tenta dar janelinhas e meia-luas em profusão, num frenesi quase sexual (como diria o glorioso Paulo Santana), comemorando efusivamente quando bem-sucedido.
    Eu chego a suspeitar que algo pessoal contra mim, pois sou alvo constante dessas tentativas de “jogadas nigerianas”, (como o próprio Zerbes já descreveu esse expediente futebolístico), mas acho que é só uma impressão…
    Talvez algum psicólogo possa explicar o que acontece na cabeça deste rapaz. Fico muito preocupado com isso, ele está se perdendo neste afã de tornar-se o novo Abedi-Pelé e acaba comprometendo suas atuações.
    Veremos as repercussões semana que vem hehehe.

    • Gustavo Says:

      ahahahahahahahah… Junique, sensacional! chorei de rir

    • mzerbes Says:

      hehehehehhe… esse Junique é que nem o Nelson Rubens: “ele aumenta, mas não inventa”.

      Tchê, eu não posso ser comparado ao Denílson, data máxima vênia, até porque, modéstia à parte, minhas pedaladas são objetivas e eu marco (muitos) gols…hahaha…

      Sendo extremamente honesto, não posso concordar com a questão relativa às pedaladas. Juro por tudo que há de mais sagrado no mundo: é um recurso técnico que tenho. Chega um momento que tu paras diante do teu marcador e tu tens que definir alguma estratégia, balançar o corpo, ameaçar um chute ou fazer um passe… em todas as vezes que pedalei, ou levei vantagem e acabei chutando pra fora rente à trave, ou fui desarmado, mas obtive lateral (como foi num lance em que pedalei por 3 vezes frente ao Júnior, e o Pedrinho o apoiou quando ele chutou a bola para lateral me desarmando). Portanto, não dou pedaladas para criar polêmica, mas porque é um expediente técnico que eu entendi ser racional naquele momento. Foi o que me deu na cabeça…

      Meia-luas? Sinceramente, não me recordo de ter tentado alguma em jogos de futsal desde que me conheço por gente (isso faz quase 29 anos), até porque, não há espaço.

      Agora, quanto a dar “janelinhas”, aí eu sou obrigado a concordar em parte. A questão é a seguinte: no jogo retrasado não deixei de aplicar as minhas “janelinhas” (me lembro de ter aplicado 2 no Júnior e 2 no Cuervo), e muito menos de marcar gols (tanto que fiz 7 gols). Meu time naquele jogo venceu de goleada por 6 a 0. No jogo anterior ao retrasado eu também apliquei janelinhas, também fiz bastante gols (foram 6), mas meu time acabou perdendo.

      Neste último jogo, da mesma forma, apliquei as minhas corriqueiras janelinhas, todavia, EU EXAGEREI NA DOSE. Acontece. Se a pessoa vai se estressar com uma peleia que é pra ser um divertimento, acaba não valendo a pena.

      Um outro ponto: eu não comemoro “efusivamente” os dribles, apenas faço “a minha sonoplastia característica”, que aliás, o Pedrinho é AMARARRADÃO…hahahahhaha… quem me conhece, sabe que eu faço isso a favor do meu time e contra… é uma forma que eu tenho de desopilar na hora do jogo, até porque, se fosse uma partida valendo torneio ou alguma disputa, POR ÓBVIO eu não faria, sob pena de causar uma confusão similar a que o Edílson (na época atleta do Corinthians Paulista-SP) proporcionou nas finais de um distante Paulistão contra o Palmeiras-SP, ao fazer malabarismos com a bola para matar o tempo. Também é uma forma de desmobilizar o adversário. O futebol é bom por isso. Existe uma série de táticas que podems er adotadas. A catimba é uma tática, por exemplo, que o Time Azul USOU E ABUSOU neste último jogo…faz parte…

      Uma última observação: Júnior, não é uma questão pessoal contigo o fator janelinhas. Acontece que, além de tu seres a minha “vítima” favorita (haja vista que tu ficas PUTO DA CARA…hehehe), é normalmente em ti que eu consigo aplicar as janelinhas porque TU AMAS ME MARCAR INDIVIDUALMENTE. Sempre que jogamos em times diversos, tu me escolhes para marcar. Inexoravelmente, irei aplicar meus dribles no atleta que estiver me marcando…

      Ah, se fosse uma questão pessoal, eu também interpretaria que é uma questão pessoal para comigo, o fato de eu sofrer faltas de ti em sequência, sendo que nenhum outro do teu time me faz faltas. A primeira falta do jogo passado, por exemplo, a qual o Pedrinho veio falando LÁ DO OUTRO LADO DA QUADRA DELIBERADAMENTE que não havia sido falta, me originou um tostão na coxa. Demorou 1 dia pra passar. Mas o Pedrinho teve a humildade de reconhecer após o término da partida que foi falta realmente. Por mais que não tenhas tido a intenção de fazer a falta, acabaste me calçando quando eu dei o toque de calcanhar, me livrei da tua marcação, e me pegaste com a ponta do tênis. Acontece, mermão. Eu sei que não foi proposital. Eu sei que não foi pessoal. Faz parte do jogo. Ocorre que como eu sou pivô e tu és fixo, temos contato direto durante o jogo. Eu e o Renatinho (que jogamos no ataque) praticamente não nos pechamos durante todo o jogo, por exemplo.

      Coisas do futebol…

      OBS: gostei do Abedí Pelé e do Jay-Jay Okocha…hehehe

      Abração, Gazela Merendeira!!!

  3. Junigol Says:

    É… meu velho não dá pra negar que aquele “UUUUHHHHH” que tu fazes quando completa a janelinha é deveras irritante e me causa uma certo mal estar. É como eu fico no fim de noite depois de pegar uma gordinha na J.Alfredo kkkk.
    Nossos embates são acirrados pois acredito que o contato físico na marcação intranquiliza o avante, forçando-o a errar. Já tu procuras encostar no zagueiro pois sabes usar o corpo e fazer a parede, ou seja vem mais pechadas por aí hehehe. Além do mais tu é “meio” manhoso, e eu admito que reclamo demais então as discussões são normais.
    Fica frio que de Natal, eu vou compensar, vou te dar um kit da gelol ou da salonpas.
    Abraços e até terça!!

    • mzerbes Says:

      AEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!!!!!

      Uma pena que não irás pra Capão da Canoa-RS no próximo final de semana… iria te apresentar (pessoalmente) um atleta que seria TITULAR no teu time…hehehehehehehehe

      E ainda poderíamos quebrar as canelas dos bicuíras no beach soccer…huahuahuuhauhauhauha

      Até terça, Guloso!!!
      Ah…prefiro massageol a gelol…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: